CONGREGAÇÃO CRISTÃ
Jesus Nossa Âncora

Obrigado por visitar nosso site. Esperamos que você tenha gostado do conteúdo.
Estamos abertos para esclarecer dúvidas e aceitar sugestão.

A PAZ DE DEUS.

Vamos conhecer o significado das palavras que fundamentam o nosso estudo, segundo os dicionários bíblicos e a palavra de Deus:

PROFECIA: A mensagem de Deus anunciada por meio de um PROFETA a respeito da vida espiritual e moral do seu povo (II Pedro 1.20, 21). As profecias tratam da predição do futuro, mas geralmente se prendem às necessidades presentes das pessoas. 

REVELAÇÃO: Desvendar mistérios e segredos de Deus.  Inspiração sobrenatural em que Deus faz conhecer a sua vontade pelo Espírito Santo (Atos 20.23 e 21.4, 11).

          O relato das sagradas escrituras apresentado na carta aos Hebreus 1.1, narra que na antiguidade, Deus falava muitas vezes e de muitas maneiras, aos nossos pais pelos profetas, mas hoje, a nós fala pelo seu Filho, o que fora confirmado pelo Senhor Jesus, que declarou: A Lei e os Profetas duraram até João (Lucas 16.16).    

            Desde então, vivemos a era da Graça, porque Jesus disse: Eu vou, mas não vos deixarei órfão, eis que enviarei o meu Espírito Santo, ele vos convencerá do pecado e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.

            Essa profecia teve cumprimento no Novo Testamento relatado décadas após a ascensão  de Jesus Cristo ao Trono do Pai, tudo divinamente revelado pelo Espírito Santo aos seus Apóstolos e Discípulos, os quais relembraram as palavras do Senhor Jesus e as registraram nos livros da Nova Aliança as obras maravilhosas por Ele realizadas no decorrer do seu ministério, apresentadas nos quatro primeiro livros, o Evangelho, como também nas demais escrituras.  

            As PROFECIAS referenciadas no Novo Testamento do Senhor Jesus, deixaram de ser uma prática habitual como era costume freqüente de Deus no Antigo Testamento para falar aos povos pelos profetas, porque hoje, não existe mais a figura do profeta (Lucas 16.16) para intermediar e manifestar ao povo a vontade de Deus, justamente porque vivemos a era da Graça, e todo aquele que crê no Senhor Jesus como seu único e suficiente Salvador, é ungido pelo seu Espírito Santo e está capacitado espiritualmente a interceder a Deus, sempre em nome do Senhor Jesus, ainda que não saiba como e o que pedir, pois, o Espírito Santo conduzirá as suas petições ao Trono de Glória de Deus, até com gemidos inexprimíveis (Romanos 8.26). 

             Mesmo assim, ainda existem muitas igrejas que usam as PROFECIAS e REVELAÇÕES na prática cotidiana, como presciência, mas desde o Antigo Testamento, o Senhor Deus já alertava os povos sobre as profecias mentirosas, meditem:  

             No livro de Deuteronômio 18.20-22, disse o Senhor: O profeta que presumir soberbamente de falar alguma palavra em meu nome, que eu não lhe tenho mandado falar, ou o que falar em nome de outros deuses, o tal profeta morrerá.  Se disseres no teu coração: Como conheceremos a palavra que o Senhor não falou?

            Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e tal palavra não se cumprir, nem suceder assim, esta é palavra que o Senhor não falou; mas com soberba a falou o tal profeta. 

             O Senhor falou também pelo profeta Jeremias 23.16-26, dizendo: Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam; ensinam-vos vaidades e falam da visão do seu coração, não da boca do Senhor.  

             Não mandei os profetas; todavia, eles foram correndo; não falei a eles; e eles profetizaram. Mas, se estivessem no meu conselho, então, fariam ouvir as minhas palavras ao meu povo, e o fariam voltar do seu mau caminho e da maldade das suas ações.  Tenho ouvido o que dizem aqueles profetas, profetizando mentiras em meu nome, dizendo: Sonhei! Sonhei!   

             E ainda em Jeremias 29.8,9, assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Não vos enganem os vossos profetas que estão no meio de vós, nem os vossos adivinhos, nem deis ouvidos aos vossos sonhos que sonhais, porque eles vos profetizam falsamente em meu nome.

             O Senhor faz revelações imprescindíveis para que hoje não sejamos enganados, Ele fala abertamente dos profetas mentirosos que fazem o povo errar revelando profecias de vaidade porque falam da visão do seu coração, e não da boca do Senhor. Mas o Senhor faz uma indicação importante para que saibamos discernir se a profecia foi dita por Ele ou veio da vaidade do profeta, observem quando Ele disse: Como conheceremos a palavra que o Senhor não falou?

            Quando o tal profeta falar em nome do Senhor, e a profecia não se cumprir, esta é profecia que o Senhor não falou; mas com arrogância a falou o tal profeta. 

            Outra recomendação importante para confirmação da autenticidade da PROFECIA se realmente foi inspirada pelo Espírito Santo de Deus ou se veio pelo engano do homem, é ficar atento quanto ao resultado final que conduzirá essa PROFECIA.  

 

             Se o final da PROFECIA revelada for conduzido para edificação e crescimento da vida espiritual do crente, para honra e glória de Deus, certamente a profecia veio de Deus. Porem se o conteúdo dessa PROFECIA for direcionado para as prosperidades materiais para deleite e gloria do homem, pode repreender, porque é terrena, material e diabólica.   

             Porque no Evangelho de Cristo não há uma só referência de promessa de prosperidade material para aqueles que lhes são fieis, o Senhor Jesus tem algo melhor e infinitamente superior a toda riqueza deste mundo. Ele nos envolve na sua graça, também dá paz ao nosso espírito e ainda nos oferta a vida eterna  para os dias vindouros. Este é o galardão para aqueles que esperam pela vinda do Senhor.

             As PROFECIAS citadas na palavra, verdadeiramente são produzidas pela vontade de Deus e se cumprem na íntegra, porque a palavra de Deus não volta para si vazia. Diferentemente das PROFECIAS proferidas por muitos pregadores contemporâneos que banalizaram esse dom maravilhoso e passaram a falar segundo a vaidade do seu coração e acabam errando, porque  são geradas pela vaidade de  homem. 

            Portanto amados em Cristo, não guarde no coração nada que não venha da vontade de Deus, porque a palavra diz que enganoso é o coração do homem, e desesperadamente corrupto.

 

            AS PROFECIAS E REVELAÇÕES NO EVANGELHO DE CRISTO

            No Capítulo 14 da primeira carta aos Coríntios, como também nas demais escrituras do Novo Testamento do Senhor Jesus, há citações sobre PROFECIA, não somente sobre os segredos de Deus, mas principalmente, o PROFETIZAR aquilo que já está escrito no Novo Testamento. 

 

            O PROFETIZAR, como sinônimo da pregação do Evangelho, anunciar os acontecimentos futuros, e principalmente a salvação pelo arrependimento e conversão e a vinda do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo para arrebatar a sua igreja. Vamos meditar:

            I Coríntios 14: Segui a caridade e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar, porque o que fala língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala de mistérios.

            Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação. O que fala língua estranha edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja.  Eu quero que todos vós faleis línguas estranhas; mas muito mais que profetizeis, porque o que profetiza é maior do que o que fala línguas estranhas. 

            E, agora, irmãos, se eu for ter convosco falando línguas estranhas, que vos aproveitaria, se vos não falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina? 

            De sorte que as línguas são um sinal, não para os crentes, mas para os gentios; e a profecia não é sinal para os gentios, mas para os crentes.   

            Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem línguas estranhas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão, porventura, que estais loucos?  Mas, se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido, de todos é apreciado. 

            Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. 

 

            Falem dois ou três profetas, e os outros apreciem.  Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro.  Porque todos poderão profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados.

            Observem que as PROFECIAS e REVELAÇÕES citadas nos livros do Novo Testamento fazem parte da diversidade de dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo de Deus, segundo a vocação de cada um para o que for útil. 

            A Palavra impulsiona a praticar o dom de PROFECIA muito mais do que o de FALAR LINGUAS ESTRANHAS, porque o dom de PROFECIA é mais proveitoso a igreja do que o de FALAR LINGUAS ESTRANHAS, e compara os resultados decorrentes dos benefícios desses dons. 

            Porque o dom de PROFECIA aqui citado não são adivinhações, nem previsões para o futuro, mas é o ide de Marcos 16.15, e refere-se à pregação do Evangelho, a PROFETIZAR o que já está escrito na palavra de Deus por inspiração do Espírito Santo, porque o que fala língua estranha fala a Deus, mas o que PROFETIZA fala a igreja, e, se todos estiverem falando em línguas estranhas e entrar alguém que não conheça a palavra poderão até dizer que estão todos loucos, mas estiverem todos profetizando, isto é, revelando a palavra do Senhor descritas nos livros do Novo Testamento, por todos é apreciado.

            E na segunda carta universal de Pedro 1.20, 21, relata que a PROFECIA aqui citada, se refere à pregação do Evangelho do Senhor Jesus, já estabelecida por inspiração do seu Espírito Santo. Observem: 

            Sabendo primeiramente isto: que nenhuma PROFECIA da Escritura é de particular interpretação, porque a PROFECIA nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.

            Como também em Apocalipse 1.3 disse Jesus: Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta PROFECIA, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.

            Portanto, as últimas PROFECIAS reveladas sobre as coisas de Deus atinentes aos acontecimentos futuros, como também toda doutrina para igreja de Cristo, encerram-se com o apóstolo João na ilha de Patmos, desde então toda e qualquer nova PROFECIA como doutrina acrescentada, divergindo do que já está escrito sob a vontade do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, torna-se uma falsa  PROFECIA.

            Episódio semelhante está ocorrendo com as REVELAÇÕES, existem pregadores usando-as como paradigma de presciência, adivinhações (Atos 16.16),  o que fere a essência da verdade do Senhor Jesus Cristo, porque isso não tem nenhum vínculo com  as REVELAÇÕES vinda do Espírito Santo (Efésios 1.17), porque a REVELAÇÃO verdadeira é a manifestação do próprio Espírito Santo, trazendo a luz o discernimento dos mistérios de Deus para edificação e crescimento espiritual da igreja, segundo a sua vontade. Vamos apreciar:  

            Evangelho de Lucas 10 21, 22, estando Jesus com os seus discípulos, alegrou-se no Espírito Santo e agradeceu ao Pai, dizendo: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas (mistérios de Deus) aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos; assim é, ó Pai, porque assim te agradei. 

            Tudo por meu Pai me foi entregue; e ninguém conhece quem é o Filho, senão o Pai, nem quem é o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

             Portanto, as REVELAÇÕES são bíblicas, mas não é uma simples palpitação do coração do homem, e não é exclusividade para pastores e dirigentes de igreja, aliás,  como disse Jesus, o Pai oculta, esconde as revelações espirituais aos sábios e entendidos (eruditos da cúpula) e as revela aos pequeninos, aos mansos e humildes de coração, como também àquele a quem Jesus quiser revelar,  segundo a sua vontade.  

             Como também Paulo exemplificou dizendo (Gálatas 1.11,12): O Evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens, porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela REVELAÇÃO de Jesus Cristo. 

             É oportuno evidenciar, que não estamos aqui removendo ou mutilando as PROFECIAS e REVELAÇÕES, porque são dons espirituais com fundamento na palavra, mas o intuito é alertar aos irmãos para que não sejam atraídos e sucumbidos pelo mau uso desses dons espirituais, que estão sendo banalizados por muitos pregadores.      

 

             Louvai ao Senhor!

                                            Irmão Carvalho.

 Muitos consideram o batismo no Espírito Santo somente aos que falam língua estranha. Entretanto, isso é um equívoco, porque muitos irmãos não falam língua estranha mas possuem outros dons, e já estão selados com o batismo da promessa (Atos 19.2 e Efésios 1.11-13), porque falar em línguas é apenas um dos dons espirituais.

             Ao terceiro dia, Cristo ressuscitou e pôs-se no meio dos apóstolos, onde estavam reunidos e disse-lhes: Paz seja convosco.  E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo (João 20.20-22).

E o livro de Atos 1.5-8, narra que no período entre a ressurreição do Senhor e a sua ascensão à Glória do Pai, Ele se apresentou novamente entre eles e lhes disse: João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.  

Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.

No que se consumou no livro de Atos cap. 2, ao cumprir-se o dia de Pentecostes, ocasião em que estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do Céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados.

E fora vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. E correndo aquela voz, ajuntou-se uma multidão e estava confusa porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.

Observe que os Apóstolos receberam do Senhor Jesus, o Espírito Santo em duas ocasiões, separadamente e com finalidades distintas. Primeiramente o Senhor assoprou o Espírito sobre eles, numa unção designada para a salvação (João 20.20 a 22). Posteriormente, no dia de Pentecostes os ungiu para obra do ministério (Atos 2.1-4). A partir daquele momento deu-se início a mais extraordinária obra de Evangelização em toda terra, porque Deus era com eles, pelo Espírito Santo do Senhor Jesus.

Assim também, ocorre conosco, quando há arrependimento e conversão, recebemos o selo da promessa do Espírito Santo para a salvação da vida eterna. Observemos:

Atos dos Apóstolos 2.37-39, disse-lhes Pedro a multidão que os ouvia: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar. 

Palavra confirmada na Carta de Paulo aos Efésios 1.12 e 13, onde diz: Nós, os que de antemão esperamos em Cristo; em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o Evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa.

Assim sendo, na sua conversão já recebeste o Espírito Santo de Deus para a Salvação, resta porem, procurar com zelo os dons Espirituais para a obra do seu ministério para o qual fostes chamado por decreto do Altíssimo.

 

         LINGUAS ESTRANHAS E OS DONS ESPIRITUAIS

No Novo Testamento, observamos esse dom de falar em línguas estranhas em duas formas distintas: Descreve o capítulo 2 de Atos, que a primeira vez que os servos do Senhor Jesus falaram em línguas estranhas, ocorreu no dia de Pentecostes (Atos capítulo 2). 

Posteriormente, na primeira carta aos Coríntios capítulos 12.1-10, descreve sobre os dons espirituais para a obra do ministério, vejam: Ora, a respeito dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes, porque há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. 

E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo, porque a um, pelo Espírito, é dada a palavra da sabedoria; a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; a outro a operação de milagres; a outro a profecia; a outro o dom de discernir espíritos; a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação de línguas. Mas um só Espírito opera todas estas coisas, distribuindo particularmente a cada um como quer.

E em I Coríntios 14.1, está escrito: Procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar. Porque o que fala em língua não fala aos homens, mas a Deus; pois ninguém o entende; porque em espírito fala mistérios. Mas o que profetiza (pregar o Evangelho) fala aos homens para edificação, exortação e consolação.

            Podemos observar que os discípulos de Cristo falaram primeiramente em línguas estranhas, para as nações estrangeiras que estavam presentes, as quais praticavam outro idioma, mas os entendia porque falavam na sua própria língua, pois a língua fora repartida de forma que todas as nações estrangeiras presentes, tiveram a oportunidade de conhecer o propósito de Deus para a alma humana e o sacrifício do Senhor Jesus Cristo, pela pregação do Evangelho através dos Apóstolos, na linguagem de origem de cada nação.

E posteriormente nas cartas, a palavra fala dos dons espirituais, e adiciona o dom de língua estranha ou língua dos anjos, como um sinal para os infiéis, para que se cumpra a palavra no livro de Joel 2.28, 29, porem, mostra a necessidade da interpretação dessa língua, aliás, há um dom específico para interpretar a língua estranha, para que a igreja de Cristo seja edificada.

E o capítulo 14 da primeira carta aos Coríntios, disciplina o zelo indispensável para que a igreja seja edificada por esse dom, onde a Palavra ressalta a importância de falar em línguas, mas alerta que, mais importante é o dom de profetizar.

Profetizar, mas não como adivinhação, como vem acontecendo em muitas comunidades, mas profetizar como pregação do Evangelho, pelo qual está declarada todas as profecias para a vida vindoura, que é a salvação para a vida eterna, para os que crêem em Jesus Cristo, como seu único e suficiente salvador. Meditemos:

Porque o que fala língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação. O que fala língua estranha edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja.

O que profetiza é maior do que o que fala línguas estranhas, a não ser que também interprete, para que a igreja receba edificação.

Porque se, com a língua, não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? Pelo que, o que fala língua estranha, ore para que a possa interpretar.

Porque, se eu orar em língua estranha, o meu espírito ora bem, mas o meu entendimento fica sem fruto. Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento.

Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida.

De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis.

Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem línguas estranhas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão, porventura, que estais loucos? Mas, se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido, de todos é apreciado.

Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. E, se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois ou, quando muito, três, e por sua vez, e haja intérprete.

Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja e fale consigo mesmo e com Deus. E falem dois ou três profetas, e os outros apreciem.

Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos poderão profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados.

Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos. Se alguém cuida ser profeta ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor.  Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar e não proibais falar línguas. Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.

Tivemos a graça de conhecer que, em conformidade com a doutrina na Palavra sobre línguas estranhas, como também a ordem nas reuniões, há um confronto visível relacionado ao que se praticam hoje na maioria das igrejas denominacionais. 

Lamentavelmente, até os dons espirituais o homem banalizou, porque o falar em línguas não é compatível com as frases decoradas que ninguém entende, as quais, os pregadores repetem inúmeras vezes, numa falsa demonstração de unção espiritual.

Porventura teria o Espírito Santo de Deus modificado a forma de operar e manifestar? A Palavra alerta que falando alguém línguas estranhas, que haja também intérprete, e se não há quem a interprete, o profeta deve permanecer calado e orar em espírito, porque o espírito está sujeito ao profeta.

Mas como afirma a palavra, precisamos procurar com zelo os dons espirituais para a obra do ministério, pelo qual fomos chamados, para edificação da Igreja membrada no Corpo de Cristo. 

 

Louvai ao Senhor!

                                       Irmão Carvalho.

De acordo com a Biblía , quem nos protege é somente Deus . ( Salmo 121 )

Nenhum outro santo ou santa nos protege. Não há orientação na Palavra de Deus no sentido de pedirmos ajuda a santo ou santa que já partiu deste mundo.

Os santos que já estão no céu  , não descem a este mundo para nos ajudar , proteger ou orientar . Para essa tarefa Deus pode usar seus anjos .

O homem ou a mulher quando crê que Jesus Cristo é seu único e suficiente Salvador , não precisa de mais ajuda de nenhum outro santo ou santa.

O véu do templo , no momento da morte de Jesus na cruz , foi rasgado ( Marcos 15:37-38 ).

Isso nos propocionou o acesso direto ao Trono de Deus através de orações.

Para isso basta crer e obedecer a Palavra de Deus.

Santos ou santas somos todos nós que fazemos a vontade de Deus.

Santo quer dizer separado das coisas mundanas.

Portanto , se recorrermos a serviços de quem não tem autoridade para tal fim ; certamente não alcançaremos os favores de Deus.

 

->Concluindo :

Portanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens , Cristo Jesus , homem ,           1 Tm 2:15

Procuremos entender os ensinamentos biblícos para aplicá-los em nossa vida.

                                      Teólogo Levindo Miranda.

 

 

Pecado é a transgressão de preceito religioso .

No cristianismo é desobedecer as ordenanças bíblicas .

A principio todos os pecados deliberados são para morte física e espiritual ; se não houver arrependimento verdadeiro .

Sempre que se peca deve se confessar a Deus , arrependendo-se .

O arrependimento não deve ficar só na parte sentimental e intelectual .

É necessário voltar-se ao Caminho de Jesus.

Assim sendo , envolve ação do arrependido, não ficar só no discurso e continuar na prática de desobediência à Palavra de Deus .

Agora , todos os pecados são perdoados quando houver o verdadeiro arrependimento ( reconhecimento do pecado e voltar-se novamente a Cristo ).

O pecado imperdoável é a blasfêmia contra o Espírito Santo . Sempre que o Espírito de Deus operar e interpretar-se como obra do diabo , ocorre a blasfêmia contra o Espírito Santo.

Concluindo , sempre que o Cristão tiver dúvida se pecou para a morte é porque ele ainda crê que Jesus é o Salvador da sua vida . Há esperança.

Basta confessar os pecados a Deus e voltar-se para Cristo . E continuar a jornada para ganhar a coroa da vida eterna.

Deus é bom e misericordioso para perdoar.

A Bíblia nunca cita Maria como mãe de Deus .

Corretamente , ela é mãe de Jesus ( Homem ) , mas de Jesus ( Deus ) ,não.

Jesus quando esteve na Terra teve as duas naturezas : humana e divína .

Jesus como Deus existe na eternidade.

Portanto , Maria que é bem mais nova que Jesus Deus não pode ser mãe de Deus .

Maria virgem ?

                           Ler : Matheus 1 : 24.

Maria esteve virgem até o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo , após ela coabitou com José e teve filhos e filhas .

Jesus teve irmãos ?

De acordo com a Bíblia, Jesus teve 4 irmãos ( Thiago, José ,Simão e Judas) e também teve algumas irmãs ( ver Matheus 12 : 46 - 50 , 13 : 55 -56 ; João 2:12; 7:3-10).

Quem esta online

Você tem 13 convidados e nenhum membro online